Depressão

Junho 27, 2024 - by Gabinete de Comunicação e Imagem - in Dicas & Notícias

No Comments

Cuide da sua saúde mental, os nossos sentimentos e emoções devem ser avaliados de forma correcta e profissional. Agende na Clínica vida de Luanda consultas de Psicologia.

Marcar Consulta

 

Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, a Depressão é uma doença e não, simplesmente, um estado emocional passageiro caracterizado por tristeza.
É considerado como um transtorno biopsicossocial: originado por factores biológicos, psicológicos e sociais.
É um dos transtornos mentais que mais causa incapacitação na população mundial. Está associada a sofrimento e consequências significativas nas diversas áreas da vida social e ocupacional do indivíduo. Podendo afectar, pessoas de todas as idades, géneros e culturas, atingindo também as seguintes etapas de vida: infância, adolescência, fase adulta, e velhice.

Para que seja realizado o diagnóstico correcto de Episódio Depressivo é necessário que o paciente apresente durante, pelo menos, duas semanas, humor deprimido e/ou perda de interesse ou prazer por quase todas as actividades, na maior parte do tempo.

Partindo do pressuposto que a Depressão é uma doença psiquiátrica/psicológica, é importante compreender que ela envolve uma alteração de neurotransmissores  – componentes químicos responsáveis pela troca de informação no cérebro (Prof. Digão, 2020).
Devido à falta de conhecimento e ao estigma associado a esta patologia, grande parte da população não procura ajuda profissional. Em Angola, o Secretário de Estado para a Saúde Pública, Carlos de Sousa, falava durante a 11.ª Conferência de Saúde Mental Infanto-Juvenil que decorreu sob o lema “Saúde Mental é um Direito Humano Universal”, onde afirmou que no período de três anos e meio, registaram-se cerca de 2.500 mortes por suicídio (Jornal de Angola, 2023). Estima-se que aproximadamente 322 milhões de pessoas em todo o Mundo sofram com Depressão e que, pelo menos, 30 milhões de pessoas sofram desta patologia no Continente Africano (OMS, 2017).
Em suma, razões mais que suficientes para destacarmos e consciencializarmos as pessoas sobre a gravidade da Depressão, que sendo uma doença multifacetada, desencadeia sofrimento psíquico, e, sem o tratamento adequado,  pode levar ao suicídio.

 

A Depressão é um transtorno do humor cujos sintomas são:

  • Humor deprimido
  • Irritabilidade
  • Isolamento Social
  • Cansaço extremo e falta de energia
  • Anedonia (incapacidade de sentir prazer ao realizar actividades)
  • Insónia (dificuldades em dormir) ou excesso de sono
  • Falta de apetite
  • Baixa auto-estima
  • Redução da libido
  • Pensamentos negativos, auto-lesivos ou suicidas

 

Factores de Risco

Qualquer pessoa pode desenvolver Depressão. Porém, há alguns factores que aumentam a probabilidade de desenvolver a doença, entre eles:

  • Historial de doenças mentais na família
  • Excesso de stress e/ou ansiedade
  • Uso excessivo de álcool e outras drogas, vícios de jogos e sexo, fuga à realidade social
  • Traumas
  • Mudanças bruscas nos estilos de vida (marital, financeiro, laboral, coabitação, morte de um ente querido)
  • Violência doméstica (física, psicológica, verbal, patrimonial)
  • Surgimento de doenças crónicas

 

Causas

A Depressão é um transtorno biopsicossocial: o que significa que é causada por uma interacção entre factores biológicos e psicológicos. Sendo mais frequente em pessoas que estejam a passar por situações de grande impacto emocional, como por exemplo, uma separação conjugal ou desemprego.

No entanto, algumas pessoas desenvolvem a doença sem um factor específico que desencadeie o aparecimento da mesma.

É importante relembrar que a Depressão é uma patologia e não está associada à fraqueza de carácter.

 

Tratamento

O tratamento pode ser feito através de psicoterapia (tratamento psicológico) e/ ou por farmacologia (medicamentos). Quando realizados em conjunto, são os mais eficazes no tratamento dos seguintes sintomas: tristeza, angústia, alterações do sono e do apetite, cansaço e sensação de culpa, que interferem no funcionamento e bem-estar da pessoa.

  1. Medicação

A Depressão pode originar um desequilíbrio químico no cérebro, afectando os químicos responsáveis pela sensação de prazer. Por esse motivo, os medicamentos antidepressivos (ex: Sertralina) ajudam a repor os níveis destes químicos, melhorando o humor e provocando um aumento de energia. A medicação para a Depressão é segura e não apresenta riscos de dependência superiores às restantes medicações. 

  1. Psicoterapia

Alternativamente à medicação, a Depressão pode ser tratada através da Terapia Cognitiva e Comportamental (TCC), cujo objectivo é ajudar o paciente a identificar e mudar pensamentos negativos que causam humor deprimido e recuperar o prazer por actividades da sua rotina.

Nota: No caso da Depressão severa a combinação de medicação e terapia apresenta resultados superiores à terapia ou à medicação isolada.

 

Acho que tenho Depressão, o que devo fazer?

O diagnóstico precoce é de extrema importância.

Se suspeitar que pode ter Depressão, procure um Psicólogo Clínico, exponha as suas dúvidas e ele será o profissional indicado para conversar consigo sobre o tratamento. Ao contrário da tristeza, a Depressão é uma patologia e não melhora com o tempo. A doença tende a deteriorar sem o tratamento correcto, podendo muitas vezes levar ao suicídio.

 

Referências

 

Perfil:

Daniela Sousa, Licenciada em Psicologia Clínica pela Universidade de Exeter, em Inglaterra. Responsável pelo Gabinete de Apoio ao Trabalhador e dá consultas externas de Psicologia Clínica com enfoque na Terapia Cognitiva e Comportamental para Adultos e Crianças. Fluente em Português, Inglês e Espanhol, a profissional garante a confidencialidade, o respeito pela autonomia do paciente e tratamentos psicológicos baseados nos últimos avanços científicos.

Áreas de Intervenção:

  • Transtornos de Ansiedade
  • Transtornos Alimentares
  • Depressão
  • Luto Patológico ou Prolongado
  • Perturbações do sono
  • Toxicodependência
  • Stress Pós-Traumático

Realização de Diagnósticos e Elaboração de Relatórios em Crianças com:

  • Transtorno do Espectro Autista (TEA)
  • Perturbação do Défice Atenção com Hiperactividade (PDAH)
  • Dislexia

 

Amélia Almeida
Licenciada em Psicologia Clínica e aconselhamento pela Universidade Universidade Jean Piaget em 2010.
Mestrado em em Psicologia Clínica e Saúde.
Doutoramento em Ciências Sociais e Humanas, pela Universidade Universidade Evangélica Del Paraguay em 2019.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share this article

Gabinete de Comunicação e Imagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

one + 18 =

×

Make an appointment and we’ll contact you.

[contact-form-7 id="313"]