Asma

Junho 25, 2024 - by Gabinete de Comunicação e Imagem - in Dicas & Notícias

No Comments

O diagnóstico precoce traz melhores resultados e menos danos à saúde. Consulte o/a Médico/a Especialista em Pneumologia e acompanhe a sua saúde. Dispomos de testes de Espirometria para despiste desta patologia. Agende a sua consulta connosco.

Marcar Consulta

 

Asma: Sintomas e Cuidados

A Asma é uma doença inflamatória crónica das vias aéreas inferiores, que pode ser desencadeada por diversos estímulos, com consequente obstrução ao fluxo aéreo, de carácter recorrente e tipicamente reversível.

 

Causa

O desenvolvimento de asma tem vários factores e depende de interacções entre múltiplos genes susceptíveis e factores ambientais. Os factores ambientais do risco de asma podem ser:

Exposição a alergénios: as evidências implicam claramente que alergénios domésticos (como poeiras, ácaros, baratas e pêlos de animais) e outros alergénios ambientais, podem causar alergias em crianças, adultos e idosos.

Factores pré-natais (antes ou após o nascimento): a asma também é relacionada com factores pré-natais, como baixa idade materna, nutrição materna precária, prematuridade ao nascimento, baixo peso ao nascer e ausência de aleitamento materno.

 

Gatilhos da asma (factores desencadeantes)

Os sintomas de asma são geralmente desencadeados ou piorados por vários factores, geralmente relacionados ao meio-ambiente; a doença pré-existente e/ou  uso de determinados medicamentos, entre outros.

 Alguns factores que intensificam os sintomas da asma incluem:

  • Alergénios ambientais e ocupacionais: poeiras, ácaros, cheiros de produtos químicos, etc.
  • Ar frio e seco: o ar frio pode causar broncoconstrição, ou seja, pode diminuir o diâmetro dos brônquios e reduzir a passagem de ar.
  • Infecções: tanto os microrganismos, quanto as nossas células de defesa, libertam substâncias durante a batalha que travam no processo de infecção e de combate à mesma, que podem desencadear  sintomas de asma.
  • Exercício físico: durante o exercício físico, há consumo excessivo de oxigénio pelos músculos; uma vez que, na presença de asma, os brônquios estão inflamados, podem não conseguir fornecer a quantidade adequada de oxigénio para manutenção do exercício, e, com a libertação de determinadas substâncias nesse processo, poderá desencadear sintomas de asma.
  • Inalação de agentes irritantes: determinadas substâncias com cheiro muito activo, podem causar diminuição do diâmetro dos brônquios, podendo desencadear sintomas de
  • Emoção: emoções fortes, fazem circular determinadas substâncias no sangue e essas podem servir de gatilho para os sintomas.
  • Medicamentos como: ácido acetilsalicílico e outros anti-inflamatórios não esteróides (AINEs).
  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE): a presença de conteúdo do estômago na via respiratória, pode irritar os brônquios e desencadear igualmente a sintomatologia de asma.

 

Sinais e sintomas da asma

O paciente com asma, seja leve-intermitente ou leve-persistente, normalmente está assintomático entre o agravamento dos sintomas.

Outros pacientes, perante doença mais grave ou períodos de agravamento, poderão desenvolver dispneia, aperto no tórax, sibilância (chiado) e tosse.

A tosse pode ser o único sintoma em alguns pacientes (tosse como variante de asma).

Os sintomas podem seguir um ritmo circadiano (ciclo diário de 24 horas) e piorar à noite, frequentemente em torno das 4 horas da manhã.

Os sinais da asma incluem:

  • Sibilos
  • Respiração e batimentos cardíacos rápidos e esforço visível para respirar
  • Postura erecta
  • Lábios cerrados
  • Fala limitada por dispneia.

Todos os sinais e sintomas são inespecíficos, reversíveis com tratamento adequado.

 

Diagnóstico

O diagnóstico baseia-se em:

  • Avaliação clínica (história e exame físico do paciente)
  • Testes de função pulmonar (espirometria e teste de broncoprovocação)

Outros testes podem ser úteis, em algumas circunstâncias:

  • Teste de capacidade de difusão do monóxido de carbono (DLCO), para distinguir asma de doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC).
  • Radiografia de tórax, para excluir causas subjacentes ou identificar diagnósticos alternativos como insuficiência cardíaca ou pneumonia.
  • Teste de alergia, deve-se indicar para todas as crianças cuja história sugira sintomas de alergia, e em adultos, cuja história sugira alívio dos sintomas quando afastados dos alergénios.
  • A realização de testes sem indicação clara pode levar a resultados falsos positivos ou falsos negativos , causando preocupações desnecessárias .

 

Tratamento

O tratamento da asma inclui:

Controlo dos factores desencadeantes:

Lavagem frequente dos lençóis, fronhas e mantas com água quente.

Remoção de móveis, estofados, bichos de peluche, tapetes, cortinas e animais de estimação (pelo menos do quarto, para reduzir a quantidade de ácaros e pêlos de animais).

Se possível, deve-se evitar ou controlar os “desencadeantes” não alérgicos, como:

  • Tabagismo.
  • Odores fortes.
  • Fumos irritantes.
  • Temperaturas frias e humidade elevada.
  • Limitar a exposição a pessoas com infecção do tracto respiratório superior viral também é importante.

Monitorização da resposta ao tratamento: é feito com espirometria a nível hospitalar e com medida do pico de fluxo expiratório a nível domiciliar.

Orientação para um paciente asmático: Deve ser abrangente e personalizado, visando controlar os sintomas e prevenir as crises. Algumas recomendações gerais como, por exemplo, compreender a doença, os factores desencadeantes e os sinais de agravamento. Identificar e evitar alergénios e irritantes, como poeira, poluição, fumo de cigarro e pêlos de animais. Manusear os medicamentos preventivos e os de resgate, para o alívio rápido dos sintomas durante uma crise. Deve saber identificar que fármaco utilizar e quando.

Um plano como esse, propicia um melhor controlo da asma, atribuído amplamente à melhoria da adesão às terapias.

 

Cuidados durante os episódios agudos de asma

Em casos de agravamento da asma o objectivo do tratamento é o alívio dos sintomas e a recuperação  da  função pulmonar.

O tratamento é feito com: Broncodilatadores inalatórios (bomba para asma) e geralmente com corticoides sistémicos (medicamentos apropriados para o tratamento).

 

Referências Bibliográficas

  1. Práticas pneumológicas, Edição ampliada/Irma de Godoy…(et al.)-1.ed.-Rio de Janeiro: Di Livros Editora, 2023, Pág. 323 – 325        
  2. Jornal Brasileiro de Pneumologia, disponível na internet em jornaldepneumologia.com.br/details-supp/105
  3. https://www.msdmanuals.com»profissional.msd manuals.com/pt/professional/disturbios –pulmonares/asma-e-doenças relacionadas/asma?quety=asma
  4. Consensos e Diretrizes da Sociedade Brasileira de Pneumologia de Pneumologia e Tisiologia –Recomendações para o manejo da asma -2020, pág. 2 e 3

 

 

Perfil Médico

Dr. António Simão    

Licenciado em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade Agostinho Neto (FM-UAN), Especialista em Pneumologia, com valência em Endoscopia respiratória e Função pulmonar pelo Instituto do Coração da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Incor-FM-USP).

 

 

Share this article

Gabinete de Comunicação e Imagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

thirteen − 8 =

×

Make an appointment and we’ll contact you.

[contact-form-7 id="313"]